Representantes da Superintendência do Patrimônio da União (SPU) em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, se reúnem em Ajuruteua com comerciantes e órgãos competentes, para discutir a questão de ordenamento no setor e identificação de comércios em área de risco.

O SPU foi representado pela técnica Marisa Guterres, que juntamente com a Prefeitura Municipal de Bragança, por meio da secretaria municipal de Meio Ambiente, realizou o encontro na Pousada Ajuruteua. O objetivo é beneficiar aqueles comerciantes que estão na faixa de risco da praia, para que possam trabalhar com tranquilidade, e para oferecer segurança ao turista que visita a praia.

A ação consiste na identificação dos comércios que estão em área perigosa, portanto sem condições de continuar funcionando, segundo a promotoria de Bragança. Todos os estabelecimentos terão que assinar um Termo de Compromisso com cláusulas que incluem da limpeza à obrigação de ter Alvará de Funcionamento, e ainda o atendimento às leis de vigilância sanitária, além de regras relativas à altura do som nos estabelecimentos e na praia.

A intenção é que, futuramente, seja fechado um Termo de Cooperação Técnica com o município, para que a gestão da praia passe para o município. “Não é interesse da SPU ficar com essa gestão se todos os problemas da praia são arcados pelo município, portanto as soluções também têm que ser do município, juntamente com os órgãos competentes”, explicou a técnica do órgão, Marisa Guterres.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Lauro Cordeiro, falou que o papel da Prefeitura de Bragança é dar todo o apoio à SPU para que realize esse trabalho em prol da comunidade. “Estamos em parceria com a SPU na busca dom ordenamento na praia para que todos possam trabalhar com dignidade e oferecer o que há de melhor ao bragantino que visita Ajuruteua e ao turista”.

A reunião transcorreu com a presença de dezenas de comerciantes locais que acataram as medidas propostas pelas representantes da SPU.

Francisco Ramalho Reis, proprietário do Bar do Ramalho, elogiou a posição do SPU. “Gostei muito. Estamos precisando de ordenação mesmo. Vai ser melhor para todo mundo”.

A proprietária da Pousada e Restaurante Macarena, Agazil Bahia, também ficou satisfeita. “A prefeitura de Bragança providenciou essa reunião na hora exata. Era tudo que estávamos precisando. Essa praia é um paraíso. Não há um esgoto para o mar e não entram veículos motorizados na praia. Só precisamos desse ordenamento”, concluiu Agazil.

Além dos representantes da SPU e do secretário Lauro Cordeiro, participaram da reunião a secretária municipal de Planejamento, Marcely Castanho; Pedro Costa, diretor de tributos da Prefeitura de Bragança; Ubiranilson Oliveira, coordenador da Defesa Civil; professor Marcelo Moreno, representante da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e o presidente interino da Associação dos Moradores de Ajuruteua (AMA), Emanoel José de Sousa.

{gallery}conteudo/artigo/semma/julho/29.07.2018/01{/gallery}

 

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

 

Skip to content